Sábado, Junho 15, 2024
spot_img
- Publicidade -spot_img

Paneira conta com forte apoio dos varzinistas no exterior do estádio

- Publicidade -spot_img

Vítor Paneira foi muito crítico em relação ao castigo federativo imposto ao Varzim. A receção ao Lourosa, jogo da quarta jornada da Liga 3, será amanhã à porta fechada, mas o treinador está a contar na mesma com o apoio do público na parte exterior do estádio. Refira-se que o clube lançou uma iniciativa para juntar os adeptos no campo de treinos, onde podem assistir ao encontro num ecrã gigante, numa iniciativa que promete ter “bebida, comida, boa disposição e momentos inesquecíveis ” a partir das 19h45 de sexta-feira, uma hora antes do pontapé de saída do encontro.

“Nunca joguei sem público na minha carreira. É claro que é sempre diferente jogar à porta fechada. Penso que tirar o público de um jogo por este motivo é uma decisão inédita no futebol português, até porque os clubes sempre recorreram. É um contexto novo para nós, assumimos que vamos cumprir o castigo Tiraram-nos o público, mas teremos os adeptos do lado de fora. Os adeptos do Varzim são o coração deste clube e não conseguimos viver e sobreviver sem esta massa que é espetacular. São os adeptos que fazem andar este clube. Temos pena de não contar com o nosso 12º. Jogador. O jogo com o Braga B em casa teve a quinta melhor assistência da primeira jornada, incluindo a I Liga e II Liga, levamos 800 adeptos a Viana do Castelo e a Fafe e neste jogo teríamos certamente cinco mil adeptos. Tiraram-nos isso mas vamos ter os adeptos do lado de fora e vamos dar tudo para lhes oferecer a vitória e sairmos daqui no primeiro lugar”.

Sobre o caso em concreto, Vítor Paneira aponta a dualidade de critérios: ” Temos dois futebóis. Temos o futebol rico e temos o futebol pobre. Com toda a franqueza, quase todos os clubes estão falidos no futebol português e tira-se o público quando queremos puxar os adeptos. Recorrer de uma decisão destas custaria onze mil euros e como o Varzim não nada em dinheiro, aceitou a decisão. Sei que o Tiago Margarido tinha acabado o curso de III Nível e apenas não tinha recebido o diploma, tal como eu, que o recebi há duas semanas, pois a Federação, desde há oito anos, nunca me tinha entregado. Fui treinador na I Liga sem o diploma, mas com o IV Nível feito e só me deram agora porque não queriam aceitar a minha inscrição sem o diploma. São situações que vão continuar a existir no futebol e neste campeonato, na primeira jornada, aconteceu a mesma coisa num jogo do Grupo A e não vi ninguém a falar sobre isso.”

- Publicidade -spot_img
Password protection
Enter Password To Unlock This Content
The Password is: 123
Unlock content
Want to collect
more emails?
Learn 10 of the most effective list-building power mover and grow your list fast.
Download the FREE guide